Design

Estes sapatos têm nome italiano, mas a sua criação deve-se a duas portuguesas

 

 

Já andam por todo o país, nos pés de “mulheres modernas e urbanas”, e no que depender das suas criadoras, em breve, iremos vê-los pelo mundo fora. Os sapatos Palazzo VII não param de ganhar novas fãs e clientes, para gáudio das duas jovens que criaram a marca.

 

Carolina Alves, de 27 anos, e Ana Luísa Vidal, de 26 anos, acabaram por transpor para o mundo dos negócios uma parceria do foro pessoal. “Somos amigas desde pequeninas. Conhecemo-nos no ballet”, recordam. Naturais de Águeda, na região de Aveiro, enveredaram por áreas de estudo diferentes. A Carolina estudou gestão e a Ana Luísa formou-se em design de moda.

 

Ainda chegaram a adquirir experiência profissional noutras empresas mas, há um ano, decidiram abraçar o seu próprio projecto. Uma marca de sapatos que alia, na perfeição, estilo, conforto e qualidade.

 

O nome diz tudo. “Palazzo” está intimamente ligado ao conceito de “maison’”, ou seja, um lugar onde tudo é criado com um intuito muito particular e especial. E “VII” (7) pela simbologia que está associada a este número: verdade, emoção e beleza.
A confeção do calçado é feita, como não podia deixar de ser, no distrito de Aveiro – mais concretamente em Oliveira de Azeméis – por artesãos e com a maior qualidade, asseguram as jovens empreendedoras.

 

Carolina Alves e Ana Luísa Vidal

 

Neste momento, a marca Palazzo VII está já presente em lojas físicas nas cidades de Lisboa e do Porto, mas a sua maior montra e plataforma de comércio é a sua própria loja online.

 

Aos vários modelos de sapatos – que vão desde as sandálias às botas, passando pelos mocassins – a marca tem vindo a juntar alguns acessórios (cintos e braceletes) e vestidos.

 

Por ora, já contam com duas coleções – preferem apostar nas coleções temáticas em detrimento das dedicadas às estações do ano –, com a promessa de mais novidades. O próximo passo? “Internacionalizar a marca”, revelam Carolina Alves e Ana Luísa Vidal.

 

 

* Texto originalmente publicado na revista Aveiro Mag

 

Deixar uma resposta