viagens&gastronomia

De Saint-Tropez ao Mónaco: mais de 100 quilómetros de costa para explorar

Praias idílicas e inúmeros recantos repletos de charme. A Riviera Francesa é detentora de um cenário único ao qual poucos conseguirão resistir, seja de Verão ou de Inverno. É um dos destinos mais procurados do mundo e entende-se porquê. De Saint-Tropez ao Mónaco, há cerca de 130 quilómetros de costa mediterrânica para explorar, com propostas para todos os gostos: cidades e vilas mais badaladas e pontos mais recatados.

É a Côte d’Azur, com todo o seu esplendor e glamour, à espera de ser (re)descoberta, com vários pontos de paragem obrigatória. Gostos não se discutem, é verdade, mas este é um roteiro que exige a passagem por Cannes, Antibes, Nice, Villefranche-sur-Mer, Cap. Ferrat, além de Saint-Tropez e Mónaco, claro está.

Para quem viaja de avião, Nice acaba por ser destino obrigatório – é aqui que se encontra o aeroporto que serve a região. Vale a pena reservar algum tempo para visitar a cidade sempre tão repleta de vida, passear na frente praia da Promenade des Anglais e visitar importantes atractivos culturais. Aqui ficam apenas alguns exemplos: Museu Matisse (Henri Matisse viveu na cidade de 1917 até à sua morte, em 1954); Museu de Arte Moderna e de Arte Contemporânea e Museu Nacional Marc Chagall.

Seguindo para Norte, em direcção ao Mónaco, Villefranche-sur-Mer e Cap. Ferrat estão ali mesmo ao lado. A primeira é uma vila piscatória, plantada numa baía, com um casario colorido digno de um postal. Será sifícil resistir aos bares e restaurantes instalados à borda da água, conhecidos pelos pratos de frutos do mar. Já Cap. Ferrat é conhecida por ser uma das mais belas penínsulas da Côte d’Azur e por acolher dezenas de mansões e palácios – há alguns que foram transformados em museus e estão abertos a visitas (Villa Ephrussi de Rothschild e Villa Santo Sospir).

A estrada junto à costa conduz-nos, depois, até ao principado do Mónaco, destino que já dispensa apresentações. Os cenários de Monte Carlo, a sua capital, estão constantemente a entrar-nos pela casa adentro, através do pequeno ecrã – em filmes e em eventos desportivos de renome, como é o caso do Grande Prémio de Fórmula 1.

Além do passeio junto ao Casino e ao Hotel de Paris, importa reservar algum tempo para visitar a zona do Rochedo, local onde encontrará a vila antiga e, consequentemente, alguns dos principais monumentos do Mónaco, com especial destaque para o Palácio do Príncipe.

 

Mónaco

 

Em direcção a Sul, encontrará Antibes, talvez uma das cidades menos conhecidas da Riviera Francesa mas, simultaneamente, uma das mais bonitas. Guardada por muralhas e porto de abrigo de milhares de marinheiros e embarcações – tem uma das maiores marinas da Europa -, inspirou génios como Pablo Picasso e F. Scott Fitzgerald, que por ali viveram e trabalharam.

Aliás, um dos principais atractivos da cidade reside, precisamente, no antigo castelo transformado em Museu Picasso. Uma unidade museológica que tem vindo a estender, também, o seu material expositivo para o exterior, nomeadamente através da famosa escultura de grandes dimensões Nomade, da autoria do espanhol Jaume Plensa, instalada à entrada do porto.

Fora de muralhas, as propostas passam pelo Forte Carré, monumento histórico plantado no alto de um rochedo, bem como pela descoberta da vila-irmã de Antibes, Juan-Les-Pins, conhecida pelo famoso festival Jazz à Juan, que ali ocorre, anualmente, em Julho.

Ainda que Antibes e Juan-Les-Pins estejam coladas uma à outra, importará tomar o caminho mais longo, ou seja, ao longo do Cabo de Antibes. Mais uma península repleta de casas de férias de sonho e não só. Lá no alto, encontrará um farol e uma capela (La Garoupe). E vistas privilegiadas para a costa.

 

Cap. de Antibes
Antibes

 

Próxima paragem: Cannes. A sua famosa La Croisette, avenida virada para o mar, é um dos seus maiores cartões de visita, juntamente com o Palais des Festivals – onde decorre, anualmente, o festival de cinema – mas uma das maiores belezas da cidade está “escondida”. O centro antigo de Cannes, de ruas estreitas e animadas, conduz os visitantes até ao topo de uma colina (Suquet) onde se encontra instalado o Museu de La Castre e um terraço com vista para toda a cidade.

Ainda que esteja um pouco mais afastada, são quase mais 80 quilómetros de estrada Saint-Tropez é outro dos destinos obrigatórios num périplo pela Cote d’Azur que se preze. Praias animadas por clubes que são uma referência a nível internacional, esplanadas viradas para a marina que concentra grandes e belos iates e um centro antigo repleto de ruas estreitas para explorar, têm ajudado a fazer de Saint-Tropez uma das estâncias mais vibrantes da Riviera Francesa. E os inúmeros famosos que a procuram também.

Cannes
Saint-Tropez

 

Como chegar: A Tap tem voos directos Lisboa-Nice.

Quando: Ainda que seja um destino especialmente procurado no Verão, a Riviera Francesa pode constituir uma excelente proposta de viagem no Outono, Primavera ou no Inverno.

O que fazer: Se ainda sobrar algo tempo, dê um salto a algumas vilas medievais daquela região francesa, mais concretamente Èze e Saint-Paul-de-Vence.

Deixar uma resposta